28 dias Capítulo 2

  


      Olááá! Enganei vocês :O Gentt, resolvi não postar mais a fanfic e continuar as outras... Meninas, eu não plagiei e nunca vou plagiar alguém (respondendo o comentário do outro capítulo) o blog onde você viu foi no Mini Imagine Fanfic? Então este blog é meu! Eu que escrevi a fanfic "28 dias", se vocês quiserem o link do blog http://miniimaginefanfic.blogspot.com.br/ aqui, (gostaria que entrassem! hahaha) Então, se quiserem continuar a ler a fanfic, só irem lá e lerem. (: eu sou a Vick MP e sou adm daqui do blog mas eu tenho um blog onde posto fanfics de minhas autorias, imagines de minhas autorias e nunca plagiei ninguém (nem a adm do meu blog plagiou) só deixando claro. Já, já, volto com My love on the radio. Beijos!

28 dias -Capítulo 1 "Gostou do cracudo"

                                           

AAAA! MAIRA! Maira Vieira: Bem, só fui ver seu comentário agora! Meu blog estava sendo arrumado por mim ^^ eu o fechei para arrumar o layout, agora está escancarado para todos verem, beijos!

   Hoje era somente mais um cansativo dia de aula. Minha professora de inglês, Sophie, sempre gosta de inventar trabalhos que colabore para o mundo. Nesse mês não foi diferente, hoje, dias dois de outubro, ela está planejando para que todos os dias (inclusive finais de semana) mandemos cartas para "Viciados anônimos", é o nome de uma grande casa (muito bonita, diga-se de passagem) de reabilitação. Não só funciona para drogas, mas  sim para pessoas que se cortam, alcoólicos e entre outros tipos no qual não me lembro.
  -Vocês farão o trabalho individualmente, a entrega é pra dia dez de novembro e vai valer metade da nota do boletim. Vou entregar dois "currículos" de cada integrante da casa para cada um e vocês escolhem entre um ou outro, me entreguem no final da aula. - respirei fundo revirando os olhos, Bianca me cutucou.:
  -Quem sabe não ache um homem pra você, amiga. -piscou dando uma risadinha, dei um leve riso como se dissesse: "você não presta".
 A professora pôs em minha mesa e ganhei dois currículos de mulheres. Uma era Sabrina e a outra Barbará. Analisei-os e nada me chamou atenção.
  -Fica com esse aqui. - Bia me entregou um currículo. Era de um homem de vinte anos. Nem amarrada minha mãe deixaria falar com esse cara; porém foi o único que puxou toda minha atenção. De forma cansada, estiquei minha mão e disse a professora que já escolhi o meu.
  -Nossa (Seunome), me surpreende escolher esse homem, ninguém o escolhe. -sorri de canto. -Tome os vinte papéis de carta.
   -Mas falta oito... -olhei pros papéis.
   -O resto dos dias vocês se revelarão e irei leva-los para conversar com eles. -me arrepiei só de pensar em conversar com um homem de vinte anos, meio leléu. Posso estar julgando demais.... Mas quem sabe?!

    -Então, quem vocês escolheram? -Eduardo perguntou.
    -Escolhi a Sabrina Lenz, quase certeza que ela era minha ex-vizinha. -Bia deu de ombros. -A (Seunome) gostou do cracudo, né? -revirei os olhos com impaciência.
    -Cracudo, Bia? Tadinho! -exclamei. -Sim, escolhi ele. Ele foi preso duas vezes e é músico.
    -Qual o nome? -Dudu perguntou
    -Um tal de Liam, Liam Payne, eu acho. -dei de ombros, vi o carro da minha mãe se aproximando. -Tchau gente! Nos vemos amanhã. -os abracei e fui em direção ao Etios preto. -Oláááá! -ela riu e antes de me sentar, o currículo caiu do meu casaco.
    -Que isso? -antes mesmo de eu puder pegar ela já arregalou os olhos. -Meu pai! Onde arranjou isso?! -começou a ter piti.
    -Mamãe, posso explicar?
    -Claro! Porque isso merece uma boa explicação. -bufei sentando no carro.
    -Ele é Liam Payne e faz parte da metade da minha nota no trimestre. Tenho que conversar com ele por carta, vinte dias. -cerrou os olhos. -É sério!
   -E porque escolheu logo ele? Sabia que você só tem quinze anos? -fechei os olhos de forma impaciente mas só estava tentando pensar numa rápida desculpa.
   -Foi sorteio. -menti.
   -Não acredito que as escolas estão influenciando os alunos a esse tip...
   -Mamãe, só vamos tentar ajuda-los. Só! -esclareci, ela concordou com desdém e saiu da frente da escola.


Ooooooooooooi amores da minha vida! Tudo bom? Depois de milhares de anos a Vick voltou! Bem, eu já tenho essa fic pronta há tempos mas vou ter que arrumar  o final que não está muito bom :( Mas, espero que comentem, na verdade isso é uma short! Volto mais tarde:*

Laser Light – 2ª Temporada – Capítulo 19 – Fanfic by Lary



Laser Light – 2ª Temporada – Capítulo 19 – Fanfic by Lary 

Lembra, anjo?
 
 Quando eu acordo, me sinto dolorida como se tivesse ficado presa em uma caixa por horas. Me sinto toda dura e os músculos que eu nem sabia que possuía estão super contraídos. Me estico na cama, fechando os olhos e solto um suspiro ao ouvir o chuveiro ligado.
Ele está aqui.
 Meus pés se movem automaticamente, não só eles, mas meu corpo todo, enquanto caminho até o banheiro atrás de Niall, o box de vidro está completamente embaçado, e eu vejo apenas a silhueta dele, que está lavando os cabelos, provavelmente de olhos fechados, ele está cantarolando uma melodia que eu não reconheço. Estou com uma camiseta com que ele provavelmente me vestiu depois que eu dormi, não a tiro, e sorrateiramente entro no box junto dele. Como imaginei, ele está de olhos fechados lavando os cabelos loiros, que parecem castanhos quando molhados, caminho em passos silenciosos até ele, que ainda não percebeu que eu estou ali, toco em teu peito. Ele fica imóvel e para de cantarolar sua melodia.
Eu: Deixa eu lavar pra você? – Pergunto baixinho. Bem devagar, ele abre os olhos e me fita por um instante, posso ver seu olhar descer e analisar o resto do meu corpo.
Niall: Lavar meu cabelo? – Ele pergunta suavemente. Se eu achei a voz dele a coisa mais gostosa do mundo durante o sexo, eu estava enganada. Ela era a melhor coisa do mundo agora. Meio rouca, porque dormimos pouco; calma, porque fizemos algo relaxante há pouco tempo, além do banho morno que ele estava tomando; meio preguiçosa, porque ele provavelmente havia acabado de acordar e íntima, porque... Bem, porque a gente havia acabado de fazer algo bem íntimo. Era como se Niall estivesse me deixando ver quem ele realmente era.
Eu: Posso? – Ele não assente nem nada, mas puxa o banquinho de plástico onde eu coloco roupas sujas que precisarei com mais frequência, e que está vazio no momento, para dentro do box e se senta, para que eu alcance seus cabelos. Eu toco naqueles cabelos macios e gostosos, massageio seu couro cabeludo, aproveitando cada segundo. Ele solta um suspiro quando massageio os cabelos mais próximos de sua nuca. Depois de acabar eu enxaguo tomando cuidado com seus enormes olhos azuis. – Pronto. – Digo sorrindo. Estou toda molhada e com a camiseta grudada.
Niall: Agora é minha vez. – Antes que eu raciocine, ele me pega e me coloca sentada no teu colo. Eu tento me contorcer e sair dali, é minha primeira reação, por instinto. – Shiu, sou só eu. – Ele sussurra e desliza as mãos pela parte interna de minhas coxas. – Eu, que te toquei bem aqui agorinha mesmo. – Ele toca a dobrinha que ficava no encontro das minhas pernas. – Lembra, anjo? – Sussurra quando desliza um dedo lá pra dentro. Eu me contorço de novo, agora agarrando os cabelos dele, assinto, sentindo seu peitoral duro contra minhas costas. – Fale comigo, minha gostosinha.
Eu: L-Lembro sim. – Gaguejo. – E eu adorei esse apelido carinhoso.
Niall: Minha gostosinha? – Assinto, ele sorri contra meu pescoço, tirando a mão do meio das minhas pernas. Eu resmungo em protesto. – Você está dolorida.
Eu: Não estou nã...
Niall: Sei que está. – Ele me interrompe. Coro pela mentira. Ele sorri, se levanta, me coloca sentadinha no banquinho e lava meus cabelos. Seu toque é... Mágico. Tudo nele, ou com ele, é mágico. Quando ele acaba de desembaraçar meus cachos, desliga a ducha dai a gente olha e percebe que tem apenas uma toalha no banheiro. Nos entreolhamos, e eu saio correndo e rindo com ele logo atrás, querendo a toalha. Nós dois a tocamos ao mesmo tempo, mas Niall é mais forte e a pega de mim com facilidade. Eu me encosto na parede e emburro, cruzando os braços e fazendo careta. Ele ri enquanto se seca, molhando a toalha.
Eu: E eu vou me secar como?
Niall: E eu vou lá saber. – Diz enquanto seca os cabelos, que estão meio loiros e meio castanhos. Eu fico encantada com aquela coisa super simples, aquilo me faz sentir dividida.
E Max?
Como ele fica?
Será que Niall quer algo sério?
 Tenho quase certeza que não, e isso me faz pensar no que havia feito. Tive minha primeira vez com consentimento, com um cara super galinha enquanto tenho um noivo super apaixonado por mim. Nesse momento, me sinto idiota, boba e puta. Eu trai meu noivo de um modo absurdo, tudo bem que ele já pulou a cerca, mas Max me levou pra casa dele, me apresentou para seus parentes e disse a todos, em alto e bom som, que eu era sua amada e sua princesinha. E Niall... A coisa mais gentil que ele fez foi me abraçar depois de um pesadelo. Isso foi o suficiente pra eu cair na cama de pernas abertas pra ele.
Como eu sou idiota!
 Meu Max, o cara com quem eu estou a mais de quatro anos, o cara que me deu meu primeiro beijo e cuidou de mim com amor e carinho logo depois do meu estupro. Ele não me rejeitou, nem teve nojo de mim como Niall... Max que cuidou de mim quando eu fiquei bêbada e não conseguia nem tomar banho sozinha. Max me traiu? Sim, ele traiu. E foi um erro. Mas todo mundo erra, não é mesmo? E por eu ter sido uma mudança radical no estilo de vida dele, isso é mais do que compreensível, já que sou sua primeira namorada.
Niall: ... alguma coisa pra você? – Pisco várias vezes quando noto que Niall está falando comigo. Meu sorriso ainda está congelado em meu rosto, e tudo que Niall vê é uma (SeuNome) feliz e sorridente, mas aposto que meus olhos demonstram toda minha confusão. Ele não nota, pois não me conhece a tempo o suficiente para saber que meus olhos são minha maior demonstração de emoções... Maxwell saberia na hora que tem algo errado, e não iria sossegar até eu lhe contar o que se passava na minha cabecinha.
Eu: Você pode repetir? Eu não escutei o que você disse... – Digo baixinho, meio séria e triste agora.
Niall: Perguntei se quer que eu traga alguma coisa pra você.  – Eu chacoalho a cabeça.
Eu: Não, obrigada. Vou voltar pro chuveiro e tomar um banho decente. Ainda estou de roupa. – Olho pra baixo. Niall assente e sai do banheiro com minha toalha enrolada na cintura. Eu fecho a porta e giro a chave com cuidado, a trancando. Ligo o chuveiro mas não entro debaixo da água e me sento no chão, abraçando minhas pernas. Continuo pensando em tudo que eu e Max passamos, tudo o que ele suportou por mim, tudo que tolerou.... Isso faz com que pareça que Niall é só um estranho que apareceu de supetão na minha vida... Penso em tudo isso e tento não me sentir arrependida pelo que havia feito com Niall; tento não pensar que era pra ser Max ao invés dele...
Mal noto as lágrimas quentes que escorrem por minhas bochechas.
Continua...
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Oi gente!! 
Como estão? Espero que bem.
Eu tô bem... Tive um notícia boa hoje  \o/
Amém, to precisando de notícias boas na minha vida...
Mas enfim, acho que a S/N tá se arrependendo de ter dado :c
Como alguém se arrepende de rolar na cama com o Nini? :o
Como? Como? Como? 
Me diz?
Bobona, ao invés de dar pro Niall, pro Toddy e pro Max... Dá até pro chefe deles...
Mas enfim.
É isso.
Até amanhã.
Beijos :*


Laser Light – 2ª Temporada – Capítulo 18 – Fanfic by Lary *-*

Laser Light – 2ª Temporada – Capítulo 18 – Fanfic by Lary *-*
Olha a boca.

 Nossas bocas se encontrar, suas mãos escorregam até minha cintura, me puxando e me apertando.  Eu seguro seu cabelo loiro e macio, correndo meus dedos pelos fios sedosos.
Niall: Quer voltar pra casa? – Pergunta baixinho, meio sem fôlego. Chacoalho a cabeça, engolindo seco e tremendo de ansiedade. – Aqui? – Confirmo com a cabeça. – Vamos entrar separadamente, ou nem precisa?  - Engulo seco de novo.
Eu: Não precisa.  – Minha voz praticamente não sai.
Niall: Não tenha medo...  – Ele diz baixinho, entrelaçando seus dedos nos meus. Assinto, ainda tremendo e sem conseguir falar. Ele sai do carro, segurando minha mão, me ajuda a sair do mesmo. Eu nem estou sentindo minhas pernas, mas Niall está segurando minha mão firmemente e andando com segurança, me puxando junto de si. O analiso: Ele está sério, como sempre, o cabelo levemente bagunçado, as bochechas com um leve rubor, e não tem nada de muito diferente, fisicamente falando. Mas ele está mais... Centrado. Fico me perguntando se os homens ficam todos assim antes de transar... Não faço ideia da minha aparência enquanto ele me puxa pelo saguão do hotel, a recepcionista está conversando com umas cinco pessoas, talvez novos hóspedes, e nem nos nota.
 Será que qualquer um que olhasse saberia o que eu estava prestes a fazer?
Ou eu estava com a mesma aparência de sempre? 
 Eu não sabia se parecia que nós dois iriamos transar, mas quando passamos pelos dois seguranças na porta do elevador, os dois que são tão sérios e parecem estátuas, cumprimentam Niall levemente com a cabeça, ele retribui com o mesmo gesto. Nós entramos no elevador, e quando eu aperto o botão do meu andar, posso jurar que vejo os seguranças se entreolharem e sorrirem levemente.
Talvez eles saibam...
 A porta do elevador se fecha, eu baixo a cabeça, ouvindo a música suave que saía do alto falante... Que música é essa? Eu conheço... Sei que conheço... Minha cabeça está zunindo, e eu sinto Niall apertando minha mão levemente, isso me faz levantar a cabeça e o olhar, ele solta um suspiro e caminha até perto de mim, eu baixo a cabeça novamente; Niall levanta meu rosto com cuidado, sela meus lábios e passa a língua suavemente sobre eles. Eu solto um suspiro dentro de sua boca. Ele começa a me beijar, calmamente de início, mas logo ambos estamos querendo nos engolir, meu corpo se arqueia querendo mais e mais sua boca. Nós chegamos ao meu andar, por ser muito cedo, não tem ninguém no corredor, Niall vê isso e me pega no colo. Eu fico meio assustada, porque eu não era lá tão magra; mas ele me carrega como se eu não pesasse nada. Ainda estou enrolada em sua coberta, então é como se ele carregasse um bebê gigante pelo corredor. Isso me faz rir baixinho enquanto Niall chuta a porta do meu apartamento.
Eu: Quanta delicadeza. – Resmungo, ainda rindo, escondendo meu rosto em teu peito.
Niall: Não aja como se eu não fosse te foder até a cama cair no apartamento debaixo. – Ele diz baixinho e com muita calma. Fico de boca aberta. Isso o faz rir. – Não se assuste. Foi brincadeira. – Solto um suspiro, ele chuta a porta.
Eu: Deixa eu trancar. – Digo baixinho. Ele me solta, eu tento trancar a porta, mas eu não consigo. Minhas pernas ainda estão bambas e meus ouvidos voltam a zunir quando Niall prensa seu corpo no meu, me empurrando contra as porta, e me ajuda a girar a chave. Seus braços roçam os meus, e ele sobe suas mãos quentes pelos meus, até meus ombros, onde aperta de leve. Ele se inclina, eu o ouço respirando bem pertinho da minha orelha, ele solta um suspiro e dá uma leve mordiscada. Eu me arrepio por completo, tombando a cabeça um pouco de lado.
Niall: Só me diga que tem certeza. – Sussurra, com o ar soprando meu ouvido. – Só me diga isso e eu te dou o melhor dia da sua vida. – Eu solto um suspiro trémulo e olho para baixo. Meu corpo está mole em seus braços.
Eu: Nunca tive tanta certeza em toda a minha vida. – Digo bem baixinho. Ele suspira.
Niall: Mas você está ciente de que você tem um noivo? – Sussurra. – Entende o que vai acontecer? – Aperto os olhos e assinto.
Eu: Eu quero.  – Ele suspira.
Niall: Ótimo. – Me vira de frente pra ele e me beija com força. Eu me sinto zonza e molenga. Minhas pernas falham, mas Niall me segura com força, me impedindo de cair.
E ele nem para o beijo.
 Não para enquanto tira a própria camiseta, joga no canto; tira a camiseta dele que me veste, e joga no mesmo lugar. Não para enquanto me pega no colo e leva pro quarto, chuta a porta e me deita no lençol frio. Eu solto um suspiro quando a boca dele desce por meu busto, ele toca com carinho a marca que deixou em mim ontem, ela está roxa hoje.
Niall: Vou fazer um monte desses. – Murmura enquanto puxa minha calça de moletom. Eu estou sem calcinha, porque ontem dormi na casa dele e não tinha calcinha. E nesse momento isso era uma ideia pra lá de filha da puta, porque a vergonha já era imensa. Ele ri.
Eu: Do que tá rindo?  - Murmuro.
Niall: Porque eu sempre te imaginei pelada. E você é ainda melhor do que sempre pensei. – A boca dele toca a pele da minha barriga, isso é o suficiente pra me fazer arrepiar, ele desce dando beijinhos pela minha barriga, rodeia meu umbigo, desce por minhas coxas, passa a língua na parte inteira das minhas pernas, até chegar no meio delas. Eu puxo seus cabelos com força, jogando minha cabeça para trás num suspiro. Sua língua sobe, por toda a minha extensão, ele se demora um pouco em meu clitóris, rodeando a língua naquele nozinho de pele sensível. Eu solto outro suspiro e empurro meus quadris em sua direção. Ele me dá uma mordidinha e depois assopra o local onde havia acabado de morder. Eu me sinto fervendo, agarro seus cabelos e empurro seu rosto contra o meio das minhas pernas. A língua dele entra sorrateiramente no minha entrada trémula. Eu gemo baixinho, e me ouvir gemer pela primeira vez o faz sorrir. Mordo o lábio e fecho os olhos, aquilo era bom, eu sentia meu corpo formigando. A língua dele explora um lugar mágico lá dentro, minha cabeça fica mais leve, eu gemo mais alto, puxo os cabelos dele.
Eu: Ai Niall! – Grito. E ai meu orgasmo chega. Meu canal se contraí, apertando a língua dele com suavidade. Ele tira a língua, levanta a cabeça e observa enquanto eu me contraio, gemendo baixinho enquanto olho seus olhos. Ele suspira, tateia os bolsos, tira a carteira de lá e puxa um pacotinho prateado. Niall desce da cama e tira a calça, eu fico observando atentamente, seu tanquinho gostoso, suas coxas grossas e teu peito definido e depilado. Ele abaixa a cueca preta com calma, eu fico um tempo olhando. Ele veste a camisinha com prática e habilidade, e já vem pra cima de mim, abraçando minhas coxas e se posicionando na minha entrada. – Eu não preciso fazer algo em você antes? – Ele levanta o rosto pra me olhar, ergue seu corpo e apoia suas mãos ao lado da minha cabeça, ficando cara a cara comigo.
Niall: Tipo o que? – Sua voz é a coisa mais gostosa que eu já ouvi: suave, contida e meio rouca.
Eu: Tipo... – Coro. – Tipo o que você fez em mim? – Pergunto baixinho.
Niall: Sexo oral? – Assinto. – Você quer fazer?
Eu: Eu... Eu não quero parecer egoísta. Quero que seja gostoso pra você também.
Niall: Você já fez sexo oral em alguém antes? – Não sei se é só na minha cabeça, mas eu podia ouvir um tom ciumento na voz dele.
Eu: Eu... Não, nunca fiz. 
Niall: Sabe fazer?
Eu: Tenho uma ideia de como.
Niall: Quer fazer?
Eu: Você gostaria que eu fizesse?
Niall: Não responda minhas perguntas com outras perguntas. – Ele toca o meio das minhas pernas com seus dedos quentes. Dá uma mexidinha ali, e eu mordo os lábios. – Você já está bem molhadinha. – Ele coloca seu dedo médio lá dentro, eu me contorço e enfio as unhas nele. – Está relaxada... Vamos fazer isso agora? – Assinto, engolindo seco quando ele tira seu dedo de mim.
Eu: Vai doer? – Pergunto baixinho quando ele pressiona a parte superior do seu membro na minha entrada trémula.
Niall: Não sei... – Sussurra. – Vou fazer de tudo pra não te machucar. - Assinto mordendo o lábio. Ele ameaça entrar em mim e eu fecho as pernas com força. Ele não as força a ficarem abertas, essa era a diferença de Niall, qualquer outro faria força, mas ele sabia que eu me lembraria de como era fazer sexo sem consentimento. Era normal que eu desejasse Niall, ele era formado em cuidar de gente como eu.
Eu: E-Eu ainda sinto os q-quadris dele se chocando c-contra os meus. – Sussurro tremendo. Niall se inclina e beija minha testa.
Niall: Não sou ele. Vamos fazer isso para o seu prazer. Não vou te machucar. Confie em mim... – Ele sussurra, eu abro minhas pernas com receio. – Boa menina. – Sussurra, com cuidado, e bem devagar, ele entra em mim. Eu grito.
Eu: PORRA NIALL! 
Niall: Olha a boca, moça. Dói?
Eu: Um pouco. E você? Sente dor? – Ele ri, um riso alto que faz teu peito tremer.
Niall: Tá me perguntando se tá doendo?  Meu bem, eu sinto que estou no céu. Achei meu lugar no mundo... Dentro de você. – Isso me faz rir. Estar conectado com ele é algo mágico. Eu sinto um pouco de dor sim, mas o que isso importa? Nós éramos um só. As batidas de nossos corações estavam sincronizadas, nossos corpos fundidos e nossos pensamentos flutuando. Eu fico perdida em seu rosto.
Eu: Você é lindo. – Digo com carinho. Em um movimento rápido, Niall roda na cama, eu estou sentada em cima dele, e ele está segurando minhas coxas com força, me dando apoio.
Niall: Você é perfeita. – Sussurra.
Eu: Por que fez isso? – Pergunto meio assustada e com a respiração acelerada.
Niall: Pra poder te ver melhor. – Ele diz com calma. Eu me encolho, me sentindo envergonhada. – Tudo bem com você? Posso me mover? – Assinto, ansiosa pelo que aconteceria. E quando ele faz um pequeno movimento, bem pequeno mesmo, eu achei que fosse explodir. Aquilo era... Aquilo era...
Mágico!
 Aquilo era mágico! E quando ele disse meu nome baixinho, eu me senti tão bem, tão feliz...
Tão gostosa.
 Enfio minhas unhas nele, amoleço em teus braços, deixando claro que ele podia fazer o que quisesse. Niall inverte nossas posições e estoca com força contra mim. Eu quase morro, meus olhos amolecem e eu posso me ouvir gemer. Niall abre mais minhas pernas e se encaixa perfeitamente e profundamente em mim. Seus movimentos ganham ritmo e velocidade, o barulho do choque entre nossos corpos ecoa pelo cômodo, meus barulhos começam a se sincronizar com os movimentos do nosso ato, nós estamos suando e grudando, mas isso só deixa tudo mais gostoso. E então, quando um de seus movimentos alcança um ponto mágico dentro de mim, eu tenho um orgasmo. A formigação sobe por minhas coxas e o frio na barriga desce até o meio das minhas pernas. Todo o meu corpo se contrai e lateja, ao fundo, sinto Niall ter um orgasmo, mas ele não é nada escandaloso como eu, ele apenas relaxa enquanto diz meu nome baixinho. Quando acaba, ele sai de mim com cuidado, eu me contorço e resmungo. Ele sorri e beija minha testa. Tira o preservativo, dá um nó, levanta da cama e eu ouço o barulho da descarga. Ele volta do banheiro de cueca.
Niall: Como você se sente? – Pergunta suavemente.
Eu: Com sono. – Sussurro com um sorriso cansado. Ele sorri.
Niall: Você pode dormir agora eu vou...
Eu: Você vai embora? – Pergunto emburrada. – Não quero que você vá. – Ele assente, liga o ventilador e se deita perto de mim, eu me encolho contra ele, e entro em um sono pesado e tranquilo...
Continua...
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Oi gente!
Tudo bem? Espero que sim.
Desculpa o tempo fora, mas esse capítulo vale por dois kkk
Finalmente ela deu \o/
É isso.
Volto assim que puder.
Beijos :*

Laser Light - 2ª Temporada – Capítulo 17 – Fanfic by Lary (:



Laser Light - 2ª Temporada – Capítulo 17 – Fanfic by Lary (:
 Um dia você descobre.
 
***
  Eu durmo no quarto de hóspedes, com Niall dormindo a dois quartos a minha esquerda. Me enrolo em cobertas fofinhas e com cheirinho de Niall, fico olhando a chuva batendo na janela de vidro e pensando...  Digamos que meu mundo virou de ponta cabeça em menos de vinte e quatro horas... Digamos que eu gosto mais de outro cara do que do meu noivo...
 Mas ele não gosta de mim.                     
 Solto um suspiro e me encolho, observando as gotas escorrendo pelo vidro. Não consigo dormir.
 Não consigo...
  Começo a contar carneirinhos. Vou ficando mais molenga... Meus olhos vão ficando pesados...
 E ai cai um raio.
 Eu solto um mini grito e arregalo os olhos com o clarão. Me encolho ainda mais na cama, me sentindo com frio e com medo de repente. O trovão logo faz um barulhão, eu prendo a respiração, me lembrando do meu sequestro...
 Estava chovendo, eu podia ouvir os trovões caindo lá fora... Danny aparece, com seu sorriso malicioso e com uma pequena e frágil senhora no colo. Ela me olha, desesperada enquanto ele rasga o vestido dela, deixando a mostra o sutiã bege e sem bojo.
- Por favor moço, tenha piedade. – Ela implora, tocando o crucifixo pendurado no pescoço. Danny olha pra mim, com um enorme sorriso frio, eu engulo seco.
- Tá vendo aquela coisinha linda de cabelos cacheados? – A senhora me olha e assente. – Ela me desobedeceu... Tentou fugir...
- O-O que você v-vai fazer com a p-pobre menina?  - Ela diz meio engasgada.
- É isso o que vou mostrar a ela. – Ele diz divertido, pegando a velhinha que se debatia em teu colo. Eu aperto os olhos com força, querendo sumir daqui, mas eu ouço... Ouço todos os barulhos que ela faz... Ouço seus soluços e a ouço implorando...
Xxx: (SEUNOME)! – Ele me chacoalha. Eu abro os olhos , tremendo, sinto o gosto de lágrimas. – Meu anjo, foi só um sonho... – Ele me puxa pra seu colo.
Eu: O-O que você faz a-aqui? E-E, com-mo? A p-porta estava tran-cada... – Digo tremendo.
Niall: Você estava gritando.  – Ele me aperta com força contra si. – Gritando desesperadamente. A porta... Bem... Eu arrebentei. (ui) Pensei até que havia alguém aqui dentro.
Eu: E-Eu... – Engasgo e me aperto com força contra ele.
Niall: Isso acontece frequentemente? – Ele se separa para olhar meu rosto.
Eu: E-Eu não s-sei. – Me encolho. – Às vez-es sim... – Chacoalho a cabeça. Ele me analisa com seus olhos azuis intensos e solta um longo suspiro.
Niall: Meu anjo... – Me puxa pra perto de si. – Tão frágil e vulnerável... – Encosta seus lábios nos meus. Ele coloca a língua na minha boca e me dá um longo beijo... – Não se case com Max. – Sussurra depois do fim do beijo. Eu abro os olhos, sonolenta.
Eu: Por que não?
Niall: Ele não te ama... Não conseguiria cuidar de você, anjo.
Eu: Eu não preciso de ninguém pra cuidar de mim! – Contra ataco, me separando dele. – Sou forte o suficiente!
Niall: As coisas não são assim...
Eu: Como não? – Digo com a voz aguda.
Niall: (SeuNome), eu... – Ele me olha, trava e solta um suspiro.  – Você precisa se levantar. Vou te levar pra sua casa, amanhã de manhã você vai contar a sua sogra que vai se casar. – Eu me lembro de repente disso. Assinto.  – Vem comer alguma coisa... – Diz enquanto se levanta.
Eu: Eu não costumo comer de manhã. – Murmuro. – Que horas são? – Esfrego os olhos.
Niall: Seis horas. Então vem, vou te levar pra casa. – Assinto e me levanto, ainda enrolada na coberta, me protegendo do vento frio. Niall dirige calmamente pelas ruas geladas e ainda meio escuras. O movimento é fraco, porque é feriado.
Eu: Você trabalha hoje? – Pergunto.
Niall: Quem sabe... – Dá de ombros. – Depende. Às vezes preciso. – Assinto.
 Eu: Você gosta do que faz?
Niall: Muito.
Eu: Você cuidou de muitos casos de estupro? 
Niall: Olha, normalmente quem cuida disso é a UVE. – Dá uma pausa. – Unidade de Vítimas Especiais, caso você não saiba. Meu departamento fica mais com a parte de encontrar o estuprador.
Eu: Então você acaba tendo contato com as vítimas?
Niall: De vez em quando. Mas eu evito ao máximo. – Diz suavemente. Me contorço debaixo das cobertas. Niall me manda um olhar. – O que foi?
Eu: Me sinto meio...  – Me encolho. – Dolorida.
Niall: Você toma anticoncepcional?
Eu: Não. Por quê?
Niall: Nós iremos passar na farmácia e comprar uma pílula pra você.
Eu: Por quê?
Niall: Porque você... Bem, ontem você teve uma relação sexual.
Eu: Mas ele não chegou a completar o que estava fazendo.
Niall: E dai?
Eu: E dai que ele não gozou ué. – Ele me olha incrédulo.
Niall: E dai?
Eu: Não é no sêmen que ficam os espermatozoides?
Niall: Mas também há a possibilidade de haver espermatozoides no liquido pré-ejaculatório.
Eu: E o que é isso? – Franzo o nariz.
Niall: É meio que um lubrificante natural masculino. Serve também pra limpar o canal.
Eu: Que canal? – Ele suspira meio irritado.
Niall: Um dia você descobre.
Eu: Tá. – Nós vamos até a farmácia, Niall desce sozinho e volta em cinco minutos com um saquinho branco, entra no carro e o joga no meu colo.
Niall: Se não quiser tomar agora, tudo bem. Você tem vinte e quatro horas pra tomar. – Assinto segurando a cartelinha com um único comprido cor de rosa. Niall volta a dirigir em silêncio, e em torno de cinco minutos nós chegamos  em frente ao meu prédio. – Então... – Ele me olha. – Está entregue.
Eu: Obrigada. – Me viro para ele, com a coberta enrolada em meu corpo. – Sua coberta é gostosa.
Niall: Pode pegar pra você... Se quiser.
Eu: Tem um cheiro bom... – Murmuro cheirando a beiradinha do tecido. – Tem o seu cheiro. – Digo levantando os olhos. Ele está me encarando, seus olhos azuis brilhando com intensidade, seus lábios rosados levemente entreabertos. E de repente tudo parece certo...
Tudo faz sentido...
Eu: Niall... – Há uma pergunta escondida nesse meu pronunciar o seu nome. E ele entende. Logo de cara.
Niall: Que horas Max chega?
Eu: Lá pelas onze.
Niall: Que horas são? – Sussurra, sem deixar de olhar meus olhos por nenhum segundo.
Eu: Seis e vinte. – Ele assente, se inclina e sela meus lábios...
Continua...
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Oi lindinhas.
 Tudo bem?  Espero que sim.
Olha, não vim aqui esse dias... Tive meus motivos.
Enfim...
O PRÓXIMO É HOT! \O/
Amo vocês.
Até mais.
 

Laser Light - 2ª Temporada - Capítulo 16 - Fanfic by Lary

Laser Light - 2ª Temporada - Capítulo 16 - Fanfic by Lary 
Pô (SeuNome)...

Eu pego o aparelho e fico olhando a tela por um tempo. Niall aparece ao meu lado em dois tempos. Olho para ele, desesperada.
Niall: Atende. - Ele diz baixo, num tom de quem não está pedindo ou sugerindo. Eu atendo o telefone:
- Alô? - Digo baixinho.
 - Pô (SeuNome), que demora pra atender o telefone. - Ele resmunga. Mordo o lábio olhando Niall, que analisa meu rosto com uma expressão séria e neutra.
 - Desculpa, poxa. É que... Estava tomando banho.
- Hum... E você teve que vir atender correndo?
- Aham...
- Então você tá pelada e molhadinha enquanto fala comigo? - Ergo o olhar até Niall, que ergue as sobrancelhas num pequeno sorriso com o canto do lábio. Sinto minhas bochechas em chamas. - Como foi seu ultimo dia? Você foi bem na sua última prova?
 - Foi normal... Fui bem sim. Obrigada por perguntar.
 - Que isso...
 - E seu dia? Como foi? - Pergunto, me sentindo bem mais confortável. Aquela conversa era tão natural pra mim...
- Está sendo. - Ele suspira e eu o ouço se movendo em sua poltrona de couro. - Cansativo...
 - Você não acha que... Está trabalhando demais? - Pergunto docemente, realmente preocupada. Isso faz Niall revirar os olhos.
- Ah, que nada. Amor, te liguei para falar sobre esse fim de semana. Não vai dar pra sair com Hanna. Vamos contar sobre nosso noivado para minha mãe, meu pai, meu irmão, minhas tias... Enfim... - Isso me faz travar, olho Niall, agora ele está sério e com o maxilar cerrado.
- Poxa, que ótimo. - Sussurro. - Não posso esperar.
- Te pego domingo, lá pelas 11. Ok?
- Ok.
 - Boa noite, meu anjo.
- Boa noite. - E desligo.
 Eu e Niall ficamos em silêncio por um tempo. Ambos pensando. Eu só queria descobrir em que ele estaria pensando...
Niall: Onde seus sogros moram? - Ele pergunta depois de um tempo, quebrando o silêncio.
Eu: Forks. Fica à dois dias de viagem daqui. É bem longe...
Niall: Forks? Tipo Crepúsculo? - Ele pergunta divertido. Franzo o cenho.
Eu: Você assistiu Crepúsculo? Não é nada a sua cara. - Ele dá de ombros.
Niall: Na época dos lançamentos de cada um dos filmes, eu estava ficando com uma mulher que curtia. E, por que não ir ao cinema com uma ficante? - Desvio o olhar, olhando para um ponto no chão ao meu lado. - Então... - Ele suspira. - Você vai contar para seus sogros que está noiva. - Ele balança a cabeça. - Parece sério. - Assinto, ainda olhando para um ponto no chão. - (SeuNome), eu... - Ele para de falar quando a campainha toca. Ele me olha por alguns segundos e sai para abrir a porta sem terminar a frase. Aquilo fica latejando na minha cabeça por um tempo, enquanto ele vai até a porta, pega a comida, paga e volta. Ele coloca as sacolas sobre a mesa. - Gosta de comida japonesa? - Meu estomago ronca em resposta.
Eu: Adoro. - Digo com a boca cheia de água. Isso o faz rir.
Niall: Comer pra mim é uma coisa sagrada.
Eu: Ah, sim. Concordo. - Ronrono sentindo o cheiro bom que vinha da sacola.
Niall: Então, vamos comer?
Eu: Claro.
E a gente come.
Continua.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Oi gente! Boa noite :D
Como vão? Espero que bem...
Olha, o capítulo tá pequeno porque eu tive que fazer uns bang pra encaixar o hot.
Amanhã eu volto.
Amo vocês.
Beijinhos :**


Laser Light - 2ª Temporada - Capítulo 15 - Fanfic by Lary

Laser Light - 2ª Temporada - Capítulo 15 - Fanfic by Lary 
Me surpreenda.

 Seus lábios quentes e macios se encontram com os meus, inicialmente é apenas isso, apenas ficamos ali, com as bocas encostadas, sentindo nossas respirações se mesclando. E depois, depois ele aperta seus lábios contra os meus, sua língua entra na minha boca, quente e úmida, ela inicialmente explora todos os cantos da minha boca, depois, com um suspiro, Niall faz sua língua brincar com a minha, acariciando-a, empurrando-a e rodeando-a. Depois, ele ainda a chupa, fazendo aqueles estalos característicos de beijos. Isso me faz soltar risinhos contra sua boca.
Niall: Por que você acha isso tão engraçado? - Ele pergunta sussurrando, sorrindo contra minha boca.
Eu: Não sei dizer. - Digo segurando o riso.
Niall: Não consigo te entender. - Ele diz baixinho, enrolando o dedo indicador em uma molinha que formava um cachinho do meu cabelo. - Normalmente, eu entendo as pessoas. Tem a ver com ser o que eu sou. Normalmente sei se alguém está mentindo, ou escondendo alguma coisa. Mas com você... - Ele balança a cabeça de leve. - Nunca sei o que está pensando. Se está prestes a contar uma mentira, ou se está sendo verdadeira... Simplesmente não sei. - Sussurra. Eu suspiro.
Eu: Quando eu era pequena, meu pai costumava dizer que eu dava muito na cara quando mentia. Ele dizia que eu sempre colocava a mão sobre o nariz, toda sem jeito e gaguejando. Acho que eu simplesmente não sei mentir. - Digo sem jeito. Niall sorri e sela minha boca, eu selo a dele, ele me sela novamente, em um selinho demorado, que vai se aprofundando... E de repente a gente está se beijando. Seus lábios são firmes e exigentes enquanto moldam minha boca. Eu suspiro algumas vezes, antes de tomar coragem, erguer minhas mãos e entrelaçar meus dedos nos cabelos levemente ondulados de sua nuca, isso parece acender algo dentro dele, pois sua boca vem com mais fome contra a minha, suas mãos deslizam até um pouco abaixo da minha cintura, onde ele me aperta com força, me fazendo tremer. Meu corpo acaba indo de encontro ao seu com ainda mais força. Meu coração está batendo acelerado e sem ritmo, as mãos de Niall deslizam em minha cintura, ele sobe dedilhando minha camiseta, que vai subindo junto com suas mãos quentes que tocam minha pele nua e me fazem arrepiar, ele só para de subir quando chega um pouco abaixo dos meus seios, então solta minha camiseta que volta ao lugar. Niall agarra minhas coxas com forças e me pega em seu colo. Eu solto um gritinho assustada, parando de beijá-lo.
Niall: O que foi? - Ele sussurra sorridente.
Eu: Ai meu Deus! - Aperto os ombros dele. - Eu... Jesus, Niall! - Me agarro com mais força em seus ombros, com medo de cair. - Vai quebrar seus braços! - Isso o faz rir.

Niall: Como se você pesasse cento e cinquenta quilos. - Ele diz divertido.
Eu: Eu... Minha nossa! - Tiro minhas mãos com cuidado e receio de seu ombro. - Você realmente me aguenta! - Digo abismada, tampando a boca com as mãos.
Niall: Já disse que você não é pesada. - Ele diz suavemente. - Peso noventa quilos. Você pesa o que? Sessenta e cinco? - Pergunta erguendo as sobrancelhas.
Eu: Noventa? - Fico de boca aberta, não comento nada sobre o meu peso. Max pesa oitenta. E ele é uns cinco centímetros mais alto que Niall. - Músculos pesam... - Digo pensando alto. Isso o faz sorrir, e eu viro o rosto envergonhada.
Niall: Sim, eles pesam. - Ele admite sorrindo. Segura meu rosto e me faz olhá-lo. - O que quer comer hoje? - Ele pergunta com suavidade.
Eu: Não sei dizer... Por que você não escolhe? A casa é sua. - Dou de ombros.
Niall: Não faço ideia do que você gosta de comer.
Eu: O que você gosta de comer? - Ela dá uma gargalhada.
Niall: Qualquer coisa. - Ergo minhas sobrancelhas.
Eu: Me surpreenda. 
Niall: Ótimo. - Ele me solta, pega o telefone sem fio da sala e vai digitando algum número enquanto sai do cômodo, me impedindo de ouvir sua conversa. Eu fico ali, batucando meus pés vestidos com meias de lã brancas, grossas e grandes por um tempo. Meu celular toca, e eu quase morro de susto ao vê-lo em cima do balcão, ao lado da pia. A última vez que o vi, foi quando desci do ônibus com fones de ouvido. Caminho até o balcão e pego meu celular, o que eu vejo na tela faz com que eu me arrependa de ter visto-o ali.
Uma ligação de Max. 
Continua...
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Oiiie gente!
Como estão?
Espero que bem.
Eu tô bem :D
Alguma novidade?
Eu não tenho :c
Amo vocês.
Até amanhã.
Beijos :*